Por onde Andamos!

Clipping Mundu Rodá

Ao longo de seus 20 anos a Cia. Mundu Rodá, fundada pelos artistas Juliana Pardo e Alício Amaral, vem construindo uma linguagem cênica própria a partir da observação, do contato e do diálogo com as Danças Tradicionais Brasileiras e o Trabalho do Ator/Músico/Bailarino.

Em 2019 estréia e temporada do espetáculo VIDA DE CÃO, CORAÇÃO DE HERÓI no Teatro Anchieta do SESC Consolação (São Paulo - SP). Apresentação no SESC Araraquara e SESC Campinas. 

Participou em 2019 da Virada Cultural Paulista e do Circuito Sesc de Artes com o espetáculo SAMBADA DE REIS, com o grupo Manjarra.

Execução do projeto ARIGÓS - GUERRAS DIÁSPORAS, RIOS EM ABANDONO, na cidade de São Paulo e na sede da Cia. Mundu Rodá. Realização do Programa Artístico Pedagógico Mundu Rodá durante 10 meses, abertura de Estudos Cênicos Amazônicos, evento Chã de Dois, Circulação e Temporada em São Paulo do espetáculo “Arigós, Primerios Riscos da Borracha.” O projeto foi contemplado em 2018 pela 32ª EDIÇÃO DO PROGRAMA MUNICIPAL DE FOMENTO AO TEATRO PARA A CIDADE DE SÃO PAULO.

Finalização do projeto de pesquisa e montagem ARIGÓS - Primeiros Riscos da Borracha, contemplado pela 3a Edição do Prêmio Zé Renato. Apresentações na sede da Cia. Mundu Rodá, no Bairro Ipiranga, e no Teatro Paulo Eiró, em Santo Amaro.  

Participação no SBPC Cultural UFAL 2018 com as atividades: Oficina “O Trabalho do Ator a Partir das Tradições Cênicas Brasileiras: Corporeidades, Voz e Rito”; Mesa Redonda: O Ator Brincante; e Aula Espetáculo: “Chã de Dois - Corporeidades Brasileiras, Tradição e Cena Contemporânea”. 

Circuito Cultural Paulista 2018 com o espetáculo SAMBADA DE REIS, com o Grupo Manjarra.

Apresentação do espetáculo/Brincadeira "Boi Manjarra - Sambada de Reis", na programação do SESC do Carmo, SESC Jundiaí, Circo do Asfalto (Santo André) e MAM (Museo de Arte Moderna de São Paulo), no evento Carnaval ElesPorElas.

Grupo convidado para ministrar o curso Danças Dramáticas Brasileiras - Corporeidades - Voz - Ritual, no ciclo de aulas técnicas do CRD (Centro de Referência da Dança das Cidade de São Paulo)

Em 2017 apresentação do espetáculo ARIGÓS - Primeiros Riscos da Borracha, no Teatro do Heliópolis - Companhia de Teatro Heliópolis, pelo Prêmio Zé Renato.

Em 2016 realização do projeto MEMÓRIAS DA RABECA no SESC Pompéia (SP), sendo estréia e temporada do espetáculo "Memórias da Rabeca" -  além das oficinas "Rabeca: Toque, Traquejo e Toada" e "O Trabalho do Ator-Bailarino a partir das Danças Tradicionais Brasileiras". Apresentação do espetáculo "Memórias da Rabeca" na programação do Itaú Cultural e no Espaço Cachuera, em São Paulo, e na II Feira dos Povos, em Altamira-PA. 

Apresentação do espetáculo/Brincadeira "Boi Manjarra - Sambada de Reis", na programação do SESC Santana, Sesc Registro e Sesc Ribeirão Preto.

Realizou trabalhos de orientação/preparação cênica e musical, direção de movimento, treinamento para atores e criação musical, para importantes coletivos artísticos da cidade de São Paulo, como Cia. Teatro Balagan, Grupo Sobrevento, Cia. Humbalada, Cia. do Miolo, Grupo CITA, Buraco d'Oráculo e Teatro do Incêndio, integrando a ficha técnica dos projetos  contemplados pelo programa de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo.

Preparador musical (Rabecas), pesquisa de repertório musical e compositor no espetáculo "CABRAS - CABEÇAS QUE VOAM, CABEÇAS QUE ROLAM", da Cia. Balagan (SP). Prêmio Shell 2016 de melhor Música

Em 2016 a Cia. Mundu Rodá realizou residência artística no ODIN TEATRET (Dinamarca), como grupo brasileiro convidado para o projeto “Wild Cats & Wild Dogs”,  para criação e participação de um espetáculo com atores de diversos países que será apresentado em 2017 no FESTUGUE, Festival Artístico promovido pelo Odin Teatret, em Holstebro - Dinamarca.

Ainda em 2016: temporada do espetáculo “Donzela Guerreira” no Sesc Campo Limpo - SP; Oficina “Criação de Partituras Físicas - Corpo do Ator”, no SESC Itaquera - SP; Workshop “Corporeidades Brasileiras para o Trabalho do Ator-Bailarino” no 10° Encontro de Atores Criadores - Sonhus Teatro Ritual (Goiânia-GO); “Sambada de Cavalo Marinho” com grupo Manjarra e os brincadores tradicionais Aguinaldo Silva e Fabio Soares (PE), na Ocupação Funarte SP; 10ª Mostra de Teatro São Miguel Paulista - Buraco D’Oráculo, com o espetáculo “Sambada de Reis”; abertura do Teatro nos Parques 2016, com o espetáculo "Sambada de Cavalo Marinho”.

Um dos eixos de pesquisa artística da Cia. Mundu Rodá é a Dança Dramática do Cavalo Marinho, proveniente da Zona da Mata Norte de Pernambuco onde residiram durante quatro anos (2000-2004) para estudo e prática desta tradição. 

Foram contemplados pela Bolsa Vitae de Artes 2003/04 com o projeto “O Cavalo Marinho da Zona da Mata Norte de Pernambuco”, na área de pesquisa histórica. Nesta ocasião, além do registro histórico de sete grupos tradicionais da região (em áudio, vídeo e texto) realizaram durante um ano, junto aos Mestres e brincadores, oficinas de Cavalo Marinho em comunidades pernambucanas do interior do Estado, com o objetivo de fortalecimento e restabelecimento de partes das brincadeiras não mais representadas. 

Desde 2004 realizam intercâmbio artístico com mestres/brincadores de Cavalo Marinho, promovendo com os mesmos, atividades de formação e difusão sobre o brinquedo e o trabalho do ator na cidade de São Paulo. Brincam anualmente em diferentes grupos tradicionais de Cavalo Marinho da Zona da Mata desde 2001. 

Coordenadores e Diretores Artísticos do Grupo AZOUGUE - Núcleo de Experimentação Cênica, fruto do trabalho realizado durante 03 anos do Curso de Extensão “Corporeidades Brasileiras e o trabalho do Ator/Bailarino”, ministrado no Instituto de Artes da UNESP em São Paulo.

Fundadores do Núcleo Manjarra - Boi Manjarra/SP (2004), grupo de estudos sobre a brincadeira do Cavalo Marinho. Apresentaram-se em diversos eventos culturais, festivais, mostras de artes, dentre elas Mostra SESC de Artes, Mostra Latino Americana de Dança, Circuito Cultural Paulista 2013. Desde 2006 brincam na Festa Tradicional do Divino Espírito Santo, em São Luis do Paraitinga (SP). Realizam mensalmente em São Paulo o evento aberto ao público “Samba Parêia!”. 

Apresentação do espetáculo DONZELA GUERREIRA em 2015 no Festival de Teatro Velha Jona Primavera do Leste -MSMostra Sesc Cariri de Culturas - CE; Encontros Possíveis - Alta Floresta - MT; Festival de Teatro da Amazônia Mato-Grossense - MT.

Participação com a Aula-Espetáculo “Chã de Dois - Corporeidades Brasileiras” no “Encontro 2015 - Os Laboratórios Históricos e a Reinvenção da Interpretação no Brasil, a partir de seus fazedores”, no Instituto de Artes da UNESP

Grupo convidado por Eugênio Barba (Odin Teatret- Dinamarca) para o evento “The Performer’s Embodied Knowledge - A New Exploration Of The Traditional Techniques” - promovido pela Shanghai Theatre Academy - China. Representando o Brasil em Shanghai (China), a Cia. Mundu Rodá apresentou técnicas para o trabalho do ator/dançarino fundamentadas nas tradições populares brasileiras, e seus desdobramentos para a cena contemporânea. O projeto integrou o ISTA - International School of Theatre Anthropology, criado pelo Odin Teatret.

Participou do Circuito Cultural Paulista 2015 com o espetáculo Donzela Guerreira.

Alício Amaral e Juliana Pardo (fundadores da Cia.) coordenaram em 2013, 2014 e 2015 o Grupo de Estudos do Curso de Extensão “O trabalho do Ator/Bailarino à partir das danças tradicionais brasileiras” no Instituto de Artes da UNESP em São Paulo.

Contemplados em 2014 pelo Prêmio ProAC Artes Integradas, com o projeto “Memórias da Rabeca” (Pesquisa e Montagem: Dança e Música) e pelo ProAc Montagem Inédita Teatral com o Projeto FIGURAS INESPERADAS.

Preparadores Corporais no Espetáculo OS AZEREDOS MAIS OS BENEVIDES, direção de João das Neves. Texto de Oduvaldo Vianna Filho e música de Edu Lobo (Chegança) e Marcus Vinícius.

Apresentação do espetáculo ESTRADA no FILO 2014 (Festival Internacional de Londrina) e realização do workshop “Treinamento Técnico do Ator à partir das Danças Tradicionais Brasileiras”.

Apresentação no MIT - Festival Internacional de Teatro João Pessoa Encena, com o espetáculo Donzela Guerreira.

Promoveram o "Encontro de Bois" no Evento Samba Parêia, com Boi Manjarra -SP (Cia. Mundu Rodá) e Boi Marinho -PE ( Hélder Vasconcelos), no Ateliê Compartilhado Casa mnarela, em São Paulo.

Realizam desde 2012 em São Paulo o evento MUNDO MESTRES MUNDU RODÁ, promovendo diálogos artísticos entre Grupos Tradicionais de Danças Populares Brasileiras e Grupos de Artes Cênicas, através de brincadeiras tradicionais, apresentações de espetáculos de dança e teatro, oficinas e palestras.

Coordenam o Grupo de Estudos do Curso de Extensão “Corporeidades Brasileiras e o trabalho do Ator/Bailarino” no Instituto de Artes da UNESP em São Paulo. 

Grupo convidado para o evento especial "Diálogos das Técnicas - O Ator- Dançarino”, coordenado e dirigido pelo diretor Eugênio Barba e atriz Julia Varley (Odin Teatret - Dinamarca), para demonstração técnica do trabalho e improvisação com outros convidados sob direção de Eugênio Barba. 2013 abertura da 6a. Edição da Arte Secreta do Ator,  Centro Cultural Banco do Brasil (Brasília).

Realizaram turnê internacional de Agosto à Outubro de 2013, passando por Inglaterra, Dinamarca, Itália e Portugal. Apresentação da aula-espetáculo “Chã de Dois - da Tradição à Cena Contemporânea” e realização do Workshop “Danças Dramáticas Brasileiras e o Trabalho do Ator/Dançarino” nos seguintes lugares: Universidade de Évora (Portugal); Universidade de Lisboa IELT (Portugal); Centro Cultural Manifatture Knos em Lecce (Itália); Odin Teatret em Holstebro (Dinamarca). Residência artística e intercâmbio teatral no Odin Teatret (Dinamarca) com Roberta Carreri, e intercâmbio teatral com o grupo La Fabbrica dei Gesti (Itália). 

Foram contemplados pelo Edital ProAC - Circulação de Espetáculos, para circulação do espetáculo Donzela Guerreira no interior do Estado de São Paulo, em 2013. Contemplados pelo edital ProAC de Primeira Obra de Gravação de Disco do Estado de São Paulo, com o projeto "Rabeca- Minha Sonora”, e pelo SESI Viajem Teatral 2012, com o espetáculo “Donzela Guerreira”.

Virada Cultural São Paulo 2014, com Sambada de Cavalo Marinho - Cia. Mundu Rodá  e Brincadores do Cavalo Marinho Estrela de Ouro, e Virada Cultural São Paulo SESC-SP 2014, com o espetáculo brincadeira BOI MANJARRA - Sambada de Reis.

Participação no evento TROCADILHO II - Encontro prático e Teórico sobre pesquisas em danças populares (FUNCULTURA 2013) Recife-PE, com a Aula Espetáculo "Chã de Dois - Corporeidades Brasileiras: da Tradição à Cena Contemporânea"  e  o Workshop "O Trabalho do Ator/Bailarino à partir das Danças Tradicionais Brasileiras”.

Em 2011 foram contemplados pelo Prêmio de Ocupação Funarte na Sala Reneé Gumiel do Complexo Cultural Funarte em São Paulo, onde ficaram em temporada com o espetáculo “Donzela Guerreira”.

Foram contemplados pelo Prêmio Funarte Myriam Muniz 2009/10 com o projeto de pesquisa e montagem “Estrada”, para continuidade e fortalecimento de suas pesquisas, produção de uma revista e montagem de um novo espetáculo, sob orientação cênica de Viliam Docolomansky, diretor do Teatro Studio Farm in the Cave (República Tcheca). Desde então os grupos continuam realizando intercâmbios artísticos e pesquisas teatrais juntos.

Desde 2012 realizam anualmente em São Paulo intercâmbio teatral com a atriz Roberta Carreri (Odin Teatret) e promovem o workshop aberto ao público “Dança das Intenções”, ministrado por Roberta Carreri. 

Preparadores corporais, preparação do ator, e coreógrafos do espetáculo Relampião (Cia. do Miolo e Cia. Paulicéia).

Atuaram como preparadores corporais e preparação técnica do ator/bailarino do espetáculo Amado, montagem do SESI Avenida Paulista em homenagem à Jorge Amando. Estreou Agosto de 2012. 

Grupo convidado para abrir o primeiro Festival Latino Americano de Dança Contemporânea "Interlocuções Poéticas - Dança á Deriva", realizado no Complexo Cultutral FUNARTE em São Paulo, participando com os espetáculos "Sambada de Reis", "Donzela Guerreira" e o workshop, "As Danças Dramáticas Brasileiras e o Traballho do Ator/Bailarino”.

Apresentação do espetáculo Donzela Guerreira no Teatro Escola Brincante em São Paulo, integrando a programação especial de comemoração de 20 anos do Instituto Brincante de Antônio Nóbrega e Rosena Almeida (2012).

Grupo convidado para ministrar a oficina "As Danças Dramáticas Brasileiras e o Traballho do Ator/Bailarino", e o espetáculo "Donzela Guerreira", na Universidade Federal de Goiás. Evento "Corpopular" - Intersecções Culturais”.

Apresentação e gravação especial do DVD do espetáculo “Donzela Guerreira”, realizado em parceria com o SESC Santana (SP). 

Participação no 1º Festival Brasileiro de Teatro de Terreiro em Brasília, com o espetáculo Donzela Guerreira (realização Funarte e patrocínio dos Correios e Petrobras).

Desde 2005 Juliana e Alício têm integrado o quadro regular de arte-educadores e equipe pedagógica do Teatro Escola Brincante, de Antônio Nóbrega, além de participarem, sob direção do mesmo, como bailarinos e criadores no processo coreográfico do espetáculo “Passo”, premiado pela Funarte e pela Secretaria do Estado de São Paulo, com estréia no SESC Vila Mariana em 2008. 

Em 2011 foram contemplados pelo Prêmio de Ocupação Funarte na Sala Reneé Gumiel do Complexo Cultural Funarte em São Paulo, onde ficaram em temporada com o espetáculo “Donzela Guerreira”.

Participaram do 1º Festival de Brincantes, realizado pelo Instituto Brincante em São Paulo, realizando o espetáculo “Estrada” (Prêmio Myriam Muniz 2009) e intervenções artísticas durante o Festival. Finalizaram o Festival sendo responsáveis pelo último módulo “DIÁLOGOS E RELEITURAS CONTEMPORÂNEAS", realizando a aula espetáculo “Corporeidades Brasileiras: Da Tradição à Cena Contemporânea”, o workshop “Diálogos e Releituras Contemporâneas”, e realizando apresentações. 

Participaram do e VII Encontro de Atores Criadores de Goiânia GO, realizado pelo Grupo Sonhus Teatro Ritual, ministrando a oficina “Cavalo Marinho e Trabalho do Ator” na UFG, participando como convidados do “Encontro com Mestres”, juntamente com Tiche Viana (SP) e a provocadora Prof. Dra. Valéria Figueiredo (GO), tema da mesa de debate: “As Danças Populares Dramáticas e a Encenação Contemporânea: Ancestralidade e a Vida Moderna se Encontram”. Realizaram acessória (treinamento técnico do ator) para a nova montagem do Grupo Sonhus Teatro Ritual, juntamente com Hugo Rodas e Tiche Vianna.

Realizaram na UNICAMP, em parceria com a Cia. De Passagem, o evento “Semana da Cultura Popular: Um mergulho no Cavalo Marinho”, ministrando o workshop “O Cavalo Marinho e o Trabalho do Ator”, realizando palestras e performances. Participação especial dos mestres e brincadores de Cavalo Marinho: Inácio Lucindo, Aguinaldo da Silva, Fábio Soares e Nuna da Silva.

Professores de treinamento do ator e danças tradicionais brasileiras na Escola Popular de Teatro - CITA (Centro de Investigação Teatral do Grupo Artemanha), em São Paulo, projeto contemplado pelo Programa Municipal de Fomento ao Teatro da Cidade de São Paulo.

Realizaram a Aula espetáculo “Corporeidades Brasileiras –Da Tradição à Cena Contemporânea”, com participação especial de Mestre Martelo (Cavalo Marinho Estrela de Ouro), no projeto “Corpos Inacabados – o corpo na arte e na cultura”, realizado na Pinacoteca de São Bernardo do Campo. 

Aula espetáculo “Corporeidades Brasileiras – Da Tradição à Cena Contemporânea”, com participação especial de Mestre Martelo (Cavalo Marinho Estrela de Ouro) na SP Escola de Teatro em São Paulo.

Demonstração técnica “A Busca de Uma Corporeidade para o Trabalho do Ator à partir das Danças Tradicionais Brasileiras” para o diretor Russo Jurij Alschtz. O diretor recolheu material da Cia. Mundu Rodá para seu projeto de criação de uma biblioteca Mundial de Métodos de Formação de Ator, com o apoio da UNESCO.

Aula espetáculo “Corporeidades Brasileiras – Da Tradição à Cena Contemporânea”, com participação especial de Mestre Martelo (Cavalo Marinho Estrela de Ouro) na SP Escola de Teatro em São Paulo.

Em 2009 em turnê pela Europa, ministraram Workshops e realizaram Espetáculo, Demonstrações Técnicas e trabalhos colaborativos para importantes grupos teatrais, como o grupo Farm in the Cave em Praga– República Tcheca, e também como grupo convidado do Odin Teatret durante a Odin Week, em Holstebro – Dinamarca, além da participação no “Corso di Formazione Specialistica di Biomeccanica Teatrale di Mejerchol'd”, ministrado por Gennadi Nikolaevic Bogdanov.

Em 2008 Juliana e Alício, em parceria com o grupo Lume Teatro, realizaram Demonstrações Técnicas, Palestras e Workshops no ECUM- 2008 (Encontro Mundial de Artes Cênicas), além de encontro exclusivo para intercâmbio de pesquisa com Eugênio Barba e o grupo ODIN Teatret (Dinamarca), através de demonstrações técnicas de suas investigações co-relacionadas sobre o trabalho do ator e as tradições brasileiras. 

Ministraram workshops de extensão na UNICAMP e durante quatro anos consecutivos (2008 -2011) no Instituto de Artes da UNESP (Universidade Estadual Paulista), sobre suas pesquisas de Treinamento de Ator com as Danças Tradicionais Brasileiras. 

Na trajetória de construção da linguagem da Companhia, foi criado o espetáculo “DONZELA GUERREIRA”, sob direção do parceiro Jesser de Souza, do LUME Teatro (Campinas-SP). O espetáculo teve sua estréia em 2007 no evento “Corpo Brasileiro: popular e contemporâneo” promovido pelo SESC Ipiranga em São Paulo. Outros colaboradores importantes se juntaram ao projeto: a Profa. Suzi Frankl Sperber (UNICAMP) na pesquisa e ação dramática, “dramaturg” e parceira no desenvolvimento da pesquisa de mimeses literária no tema Guimarães Rosa “Grande Sertão: Veredas”; Ricardo Matsuda e o Grupo ANIMA Musica Mundana Humana Et Instrumentalis na criação e gravação da trilha sonora original do espetáculo.

Desde 2004 realizam intercâmbio artístico com mestres/brincadores de Cavalo Marinho, Maracatu Rural e Caboclinho (PE), promovendo com os mesmos, atividades de formação e difusão sobre o brinquedo e o trabalho do artista intérprete na cidade de São Paulo.

Estudo das Danças Tradicionais Brasileiras desde 1996, tento como mestres diversos artistas populares, como por exemplo: Nascimento do Passo (Frevo); Paulinho Sete Flechas e Toinho (Caboclinho-PE); Mestre Biu Alexandre, Inácio Lucindo, Duda Bilau, Luiz Rodinha, Antônio Teles, Mariano Teles, Aguinaldo da Silva, Grimário, Biu Roque, Sebastião “Martelo", (Cavalo Marinho-PE);  Dona Nadir (Samba de Parelha-SE), Seu Geraldo (Coco de Zambê-RN), José Candito (Boi de Reis-RN), entre outros.

Alício Amaral estudou com grandes mestres rabequeiros tradicionais como Mané Salustiano (PE), Luiz Paixão (PE), Nelson da Rabeca (AL), Mané Pereira (PE), José de Sena (PB), Seu Arthur (RN), Mané Pitunga (PE) e Damião Soares de Lima (RN).

 

 

Voltar para a página anterior